Make your own free website on Tripod.com

Vôos de teste
Home Acima Fotos 1 Fotos 2 Fotos 3 Fotos 4 Vôos de teste

 

PROGRAMA DE VÔOS DE TESTE

Tradução e adaptação do site de Rick Henry, respeitado construtor do Mustang II

 

MUSTANG II EXPERIMENTAL PREFIXO PP-XYS  

26 de Agosto de 2002 

 

     O programa de teste de vôo a seguir é um esboço para a avaliação da aeronave PP-XYS.  O programa foi adaptado da FAA , circular AC-90-89. Esta circular será usada para se completar o programa de teste da aeronave: 

   

Planos de emergência

  1. “Briefing” com equipe de terra à respeito do primeiro vôo de teste da aeronave, procedimentos de salvamento, localização de ajuda e hospital. 

2.Contate o Corpo de Bombeiros à respeito do primeiro vôo. 

   

Testes de motor e sistemas 

 

1. Antes do primeiro teste de motor, execute uma rigorosa inspeção de 100 horas no mesmo, a  incluir: compressão de cilindros, filtro de óleo e nível, pescadores de combustível e filtro, velas, filtro de ar, e escapamento.

 2. Acione o motor, teste todos os sistemas, controles, e instrumentos de motor.

 3. Verifique magnetos, bomba de vácuo e a operação do alternador. 

 4. Verifique fluxo de combustível de cada tanque de gasolina e operação de bomba de transferência.   

5. Verifique o funcionamento dos sistemas elétrico, de iluminação e aviônicos 

    

Teste de táxis à baixa velocidade 

 

1. Verifique adequadamente o funcionamento de freio e rodas, controle de bequilha e manobrabilidade no solo.

 2. Verifique refrigeração do motor e como controlá-la 

    

Testes de táxis em alta velocidade  

 

É recomendavel que o Certificado de Aeronavegabilidade (C.A.V.) já tenha sido emitido nesta fase  

1.Faça corridas na pista, sem decolar, e aumentando de 5 em 5 nós até 45 Kt (80% da Vs) .Teste a cauda alta em velocidades mais altas. 

2. Verifique rodas / freios , manobrabilidade e controle da aeronave 

3. Note a distância de frenagem 

4. Verifique refrigeração do motor e sua operação. 

5. Note a efetividade dos controles de vôo. 

       

Simulações de decolagem

 

  É necessário que o Certificado de Aeronavegabilidade seja obtido antes desta fase. 

  1. Continue com táxis de alta velocidade  com aumentos de 5Kt até 70Kt e a cada vez verifique a efetividade dos controles com e sem potencia quando as velocidades forem aumentando.   

2. Note a efetividade do aileron , aumentando as deflexões progressivamente.   

3. Execute uma série de turnos de pista (tirando o avião do chão e pousando), permitindo que o avião voe brevemente a 70K (1.3 Vs). Faça isto no princípio com potência minima , e a partir daí aumente a permanência do avião no ar com aumentos progressivos de potência até aproximadamente metade do curso da manete. 

4. Tome ciência da refrigeração dos freios e sua efetividade.  

5. Execute esses pousos em potência parcial com flaps recolhidos, 1/3 e após 2/3. 

Quando existir confiança em se controlar o avião, realize a simulação com potência máxima:   

1. Aplique potência máxima, acelere a 70Kt (1.3 Vs), decole e voe aproximadamente 3 pés sobre a pista.  Suavemente reduza a potência e pouse em frente.   

Quando todos esses passos lhe derem plena confiança no controle da aeronave, execute então o "Primeiro Vôo" 

      

Primeiro Vôo 

 

            Cada vôo individual será precedido de uma inspeção pré-vôo e outra pós-vôo  na aeronave.  As primeiras duas horas incluirão uma inspeção completa do compartimento do motor, através da remoção dos painéis laterais do capuz.  Isto acontecerá durante estas inspeções. 

   

Primeira Hora 

 

1. Decolagem Normal.   

2. Subida a 3000 pés AGL.   

3. Monitore os instrumentos de motor e resposta dos comandos de vôo. Curvas de menos de 20 graus de inclinação e variação de "pitch" de menos de cinco graus cabrado/picado. Velocidade máxima de 105 KIAS.   

4. Suba a 5000 AGL.  Reduza para a velocidade de tráfego padrão e voe um circuito de tráfego simulado descendo a 4000 pés AGL com velocidade de aproximação com 65KIAS.   

5. Descida e pouso normal.   

 

Segunda Hora 

 

1. Decolagem normal.   

2. Suba a 3000 pés AGL.  

3. Faça monitoramento do motor e cuide para não exceder 30 graus de ângulo de inclinação. Arfagens e ajustes de potência, velocidade de 105 KIAS.   

4. Suba a 5000 pés AGL acelerando a 55% da potência de cruzeiro e aguarde a estabilização da velocidade.  Monitore os parâmetros de motor.  Acelere a 75% de potência e repita o mesmo procedimento   

5. Descida e pouso normal.   

 

Terceira a Décima Hora 

 

1. Decolagem normal.   

2. Suba a 5000 pés AGL.  Monitore o motor em diferentes configurações de potencia e velocidade e aguardando 10 minutos entre cada mudança.   

3. Cheque a precisão da velocidade indicada no velocímetro.   

4. Vôo à baixa velocidade e estóis em configuração limpa com potência e sem potência.   

5. Curvas de grande inclinação. 

6. Reveja procedimentos de emergência.  

7. Descidas, toques e arremetidas.  

   

11 hora até a 15 hora 

 

1. Decolagens normal, de pista curta e de pista fofa    

2. Suba a 5000 pés AGL.   

3. Complete a série de estóis incluindo aproximação para pouso, decolagens e estóis com motor   

4. Determine a velocidade de melhor razão de subida   

5. Determine a velocidade de melhor ângulo de subida   

6. Descidas, pousos normal, de pista curta e de pista fofa  

   

16 hora até 20 hora 

 

1. todos os tipos de decolagens.   

2. Suba a 5000 ft AGL.  

3. Série de estóis  

4. Testes de estabilidade para determinar as estabilidades estática - longitudinal, lateral - direcional,e estabilidade espiral.   

5. Atinja a  Vne e verifique  se há a presença de "flutter"   

6. Teste de carga estrutural entre -3 e +6 G's  

7. Parafusos, loopings e tounneaus   

8. Descidas, toques e arremetidas, com todos os tipos de aterrissagens. 

 

21 hora até 25 hora 

 

1. Todos os tipos de decolagens.  

2. Suba a altitudes de 5000 pés AGL para 12,000 MSL. Monitore o desempenho do motor e faça leituras dos instrumentos de vôo. 

3. Atinja o peso máximo de decolagem e cheque o centro de gravidade.   

4. Execute uma série de estóis e parafusos com diferentes configurações de centro de gravidade e pesos.  

5. Descidas, trafegos e todos os tipos de aterrissagens.